Mario Camargo

Foto: Kiko Sierich

A implantação de lojas francas em cidades de fronteira é um dos temas que serão discutidos pela plenária da Caciopar (Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste do Paraná). O evento acontece neste sábado, 27, no Centro de Eventos JS, em Guaíra (PR).

O tema será apresentado pelo presidente do Codefoz (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu), Mario Camargo. O objetivo do diálogo é esclarecer dúvidas e compartilhar experiências sobre as lojas francas entre empresários e gestores públicos.

O regime aduaneiro especial permite a instalação de estabelecimentos para a venda de mercadorias nacionais ou estrangeiras com isenção de impostos para compras de até US$ 300. No Paraná, Foz do Iguaçu, Guaíra e Barracão estão autorizadas a criar esse modelo de comércio.

De acordo com Mario Camargo, o processo que envolve a criação de lojas francas é complexo. Ele chama a atenção principalmente quanto à preocupação com a preservação das empresas que já atuam no comércio, geram emprego e renda e que não irão aderir ao chamado free shop.

“A ideia é conversar, esclarecer pontos, oferecer subsídios e trocar experiências com empresários e autoridades públicas sobre as lojas francas”, aponta o presidente do Codefoz. “Esse novo modelo de negócios já é uma realidade, e devemos entender como extrair os melhores resultados para as cidades”, frisa.

Experiência de Foz

Com larga experiência em comércio exterior, Camargo atuou diretamente na elaboração da regulamentação de lojas francas em Foz do Iguaçu. Essa normativa foi aprovada na plenária do Codefoz e convertida em lei municipal pelo Executivo iguaçuense.

À plenária da Caciopar, Camargo apresentará seu conhecimento técnico sobre lojas francas e também o olhar do setor produtivo sobre o tema, já que é diretor de Comércio Exterior da ACIFI (Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu).

Selo de qualidade

Durante o encontro da Caciopar, Mario Camargo também irá compartilhar informações sobre o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA). Trata-se de um selo da Receita Federal que oferece referência de qualidade a empresas que adotam controles de segurança da carga e elevado grau de conformidade de suas obrigações aduaneiras.